segunda-feira, 25 de abril de 2011

Incendiadas estruturas de apoio às portagens da Via do Infante



Três estruturas de apoio ao funcionamento dos pórticos na Via Infante de Sagres (A22), no Algarve, foram incendiadas na última madrugada.

As estruturas vandalizadas localizam-se em Boliqueime, Loulé e Olhão e no seu interior estariam resguardados os equipamentos eléctricos para o funcionamento das futuras portagens.

Segundo o porta-voz do Comando Territorial de Faro da GNR, as portas dessas três pequenas casas de betão foram arrombadas, tendo depois sido colocados pneus a arder dentro das mesmas.

A mesma fonte acrescenta que os incidentes se terão verificado “entre as 6h00 e as 7h00”. A GNR acredita que estas acções foram concertadas entre “um grupo de pessoas”, embora até ao momento não tenha sido identificado qualquer suspeito.

A Polícia Judiciária está a investigar o caso.

Fonte: http://www.publico.pt/Local/incendiadas-estruturas-de-apoio-as-portagens-da-via-do-infante_1491232

25 de Abril Sempre. Por quem o viveu: João Francisco Martins




Estamos prestes a comemorar mais um aniversário do Glorioso 25 de Abril. Data que nos encheu de alegria, de emoção e ao mesmo tempo de legítimas aspirações. Pois confesso que passados 37 anos, continuo a comemorar não direi da mesma forma, embora com a mesma alegria mas sem as emoções e tambem sem as legítimas aspirações de há 37 anos.


Um dos heróis desta data histórica, tem uma frase que eu jamais esquecerei:- Vamos lutar para acabar com o estado a que isto chegou.( Comandante Salgueiro Maia ) Volvidos 37 anos, que estado temos hoje? um estado sem dinheiro delapidado até ao centimo uma educação que não tem ponta por onde se pegue, em nome das modernices e dos acordos hortograficos que assassinaram a lingua mãe de um país com mais de oitocentos anos de história, uma saude que se esquece completamente dos velhos e de todos aqueles que não têm como pagar os seus medicamentos e têm que optar ou farmácia ou comida.


Foi a isto que se chegou, ao contrário disto existe o outro lado, ocupado por aqueles , e todos nós conhecemos muintos que há 37 anos nada tinham, nada eram, mas hoje demonstram sinais de grande riqueza provávelmente faziam parte de alguma sociedade do totoloto ou do euromilhões que tantos milionários tem feito neste país,pois com o sacrifício do seu trabalho,não conheço ninguêm que tenha enriquecido.Agora o que quero dizer a todos os amigos ,é que amanhã saiam à rua comemorem a data,não façam a vontade de alguns que é deixar cair esta data no esquecimento.


João

domingo, 24 de abril de 2011

Professores com salários em atraso na Câmara Munícipal de Portimão.




120 professores esperam salário


Docentes e monitores de actividades extra-curriculares do concelho de Portimão estão desesperados por não terem ainda recebido o ordenado relativo ao mês de Março, por falta de pagamento da autarquia local.

O presidente da câmara, Manuel da Luz, confirmou a situação, que afecta mais de 120 profissionais, mas prometeu que a mesma "vai ser resolvida terça-feira, dia 26 de Abril". A situação foi ontem denunciada ao CM pelos lesados, segundo os quais "o ordenado está em falta desde o dia 8 de Abril".

"Estamos a recibos verdes e é uma imensa falta de respeito esta situação" reclamam os docentes. E apelam à concentração de professores, alunos, pais e encarregados de educação, na terça-feira, no largo frente à câmara, "para reclamar" contra o que consideram ser "uma vergonha" e "exigir o que lhes é devido".

Em declarações ao CM, o autarca portimonense, Manuel da Luz, e a vereadora do pelouro da Educação, Isabel Guerreiro, esclareceram que o atraso no pagamento do salário dos docentes de actividades extra-curriculares – num valor total que rondará os 90 mil euros – se deve "a dificuldades de tesouraria por parte do município". E garantiram que o pagamento à empresa prestadora de serviços a que estão ligados os docentes será feito "logo após os feriados, ou seja, dia 26".

Fonte: http://www.cmjornal.xl.pt/detalhe/noticias/nacional/ensino/120-professores-esperam-salario

quinta-feira, 21 de abril de 2011

Dívida de curto prazo de Portimão em comparação com a de outros municípios.

Na sequência do que publicámos a propósito da dívida pública e da dívida de Portimão, vamos agora pôr alguma perspectiva nisto.

E, a melhor forma de perspectivarmos seja o que for, é compararmos.

A seguir, temos um gráfico que mostra a dívida de curto prazo (divida a fornecedores, essencialmente) de vários municípios Algarvios.




Clicar para aumentar


Já dá uma perspectiva interessante.

Continuando a perspectivar, a seguir temos a mesma dívida de curto prazo mas, dividida pelo número de munícipes de cada concelho.
Ou seja, o que cada um deve (a curto prazo) por intermédio da sua autarquia.



Clicar para aumentar


É uma perspectiva perspectivante!


Já que tratámos do gasto dos recursos (em perspectiva), vamos lá a ver um dos principais resultados para a generalidade das populações.

O emprego.

Neste caso, a taxa de desemprego.

Em perspectiva claro está.

Ou seja, com o montante gasto, vamos ver o resultado obtido.


Clicar para aumentar

É impressionante não é?


Ficam aqui estas comparações, para reflectirmos sobre isto.

O que é que tem a ver a dívida pública portuguesa com o passivo da CM Portimão?



clicar no gráfico para aumentar.



Este gráfico que aqui mostramos é bastante explícito.

Ele mostra a evolução da divida pública Portuguesa ao longo dos últimos 150 anos.
E eu acho que é bastante perturbador.
Especialmente a parte que corresponde ao período da ditadura.

Mas por agora, foquemo-nos nos últimos 25 anos.

Se vermos o que ocorreu nos últimos 25 anos, verificamos que a dívida oscilou sempre entre os 50% e os 60% do PIB.
É considerado um intervalo normal e que era um dos critérios de inclusão para a moeda única.

Mas vejamos o que aconteceu na primeira década deste século:

Em 2000 a dívida pública portuguesa correspondia a 50% do PIB.
Em 2005 a dívida pública portuguesa correspondia a 60% do PIB.
Em 2010 a dívida pública portuguesa (a conhecida) correspondia a 91% do PIB.

O disparo que se regista nestes últimos 5 anos é tremendo.
E tem os custos que agora conhecemos.
Quem deve muito e ainda pede muito, vai de certeza ter um juro elevado.
E há-de chegar a um ponto que mais ninguém lhe empresta, porque duvida que seja capaz de pagar.

Então, só resta o agiota.

O FMI (ou FEEF), é neste momento a única entidade que nos empresta dinheiro.
Mas, vai fazê-lo a um custo social absolutamente tremendo.

E eu, só me apetece perguntar:
Mas quem foi o responsável por este aumento da divida (de 60% para 91% em 5 anos)?
Quem foi que cá esteve a governar desde 2005 até agora?

E já agora, por cá em Portimão?

O passivo da CM Portimão ascende a 254 milhões de €!
Um recorde histórico de todos os tempos!!
Para 50000 habitantes!
Corresponde a 5000€ de dívida a cada um!

E vejam-se os resultados.
Tanto a nível nacional, como a nível local:

Nacional:
Divida nacional: 91% do PIB.
Desemprego nacional: 11,3%.

Portimão:
Passivo da CM Portimão: 254 milhões de €.
Desemprego: 19,6%!!!

Dá que pensar, não dá?

O que é que estas duas situações têm em comum?
A cor.
O partido socialista.
Pelo menos “este” partido socialista.
Que tem muito em comum entre, este executivo camarário de Portimão e o seu reflexo nacional “socratista”.

Já agora termino com uma nota de ironia:

Então mas, o partido socialista que ideologicamente desconfia e até abomina os mercados financeiros, é o que mais usou e abusou deles?!

Mas, que raio!
Isto é no mínimo esquizofrénico!!

segunda-feira, 18 de abril de 2011

Candidatos a deputados pelo Algarve, dos dois principais partidos: PS e PSD

PS/Algarve aprova candidatos a deputados com novidades

Miguel Freitas lidera a proposta da Federação socialista, mas João Soares, confirmado hoje por José Sócrates é o cabeça de lista. Há novidades nos restantes lugares da lista que irá à aprovação da Comissão política nacional do PS na próxima quarta-feira.

A comissão política da Federação aprovou esta sexta-feira a lista de candidatos a deputados às Eleições Legislativas de 5 de Junho, “numa aposta clara na continuidade do projeto que tem sido desenvolvido pelos Parlamentares socialistas na Assembleia da República” refere, em comunicado o PS Algarve.

A lista integra como efetivos o líder regional dos socialistas Miguel Freitas e deputado do PS eleito pelo círculo de Faro nas últimas legislativas, seguindo-se Isilda Gomes, atualmente a desempenhar as funções de Governadora civil.

Jamila Madeira também atual deputada na Assembleia da República ocupa o quarto lugar seguindo-se o médico Rui Lourenço, atual presidente da Administração Regional de Saúde (ARS).

Integram também a proposta da direção regional socialista o advogado Filipe Ramires autarca na Assembleia Municipal de Olhão, Jovita Ladeira subdelegada do Instituto de Emprego e Formação Profissional IEFP e presidente da concelhia de Vila Real de Santo António, bem como a delegada regional da cultura Dália Paulo e ainda Márcio Viegas da Juventude Socialista.

Como candidatos não efetivos surgem os nomes de Célia Brito, Sónia Melo, Eduardo Dias, Ana Sofia Belchior e Fernando Anastácio.

Fonte: http://www.observatoriodoalgarve.com/cna/noticias_ver.asp?noticia=44334



Mendes Bota aprovado para cabeça de lista pelo PSD Algarve


O deputado Mendes Bota é o candidato proposto para encabeçar a lista do PSD pelo Algarve nas próximas eleições legislativas, uma decisão tomada quarta-feira à noite em reunião da Comissão Política do PSD/Algarve.

A Comissão Política do PSD Algarve aprovou por maioria e com uma abstenção, a lista de 12 candidatos pelo círculo de Faro para as legislativas, marcadas para 5 de Junho, e Mendes Bota, 55 anos, lidera-a.

Em segundo lugar da lista surge o ex-líder da JSD/Algarve e primeiro subscritor da petição pelo curso de Medicina no Algarve, Cristóvão Norte, 34 anos, actualmente chefe de gabinete da presidência da Câmara Municipal de Faro e conselheiro nacional do PSD.

A ex-vice-presidente da Câmara Municipal de Tavira quando Macário Correia foi presidente daquela autarquia, Elsa Cordeiro, 54 anos, e actualmente vereadora sem pelouro na Câmara de Tavira aparece em número três da lista.

O advogado Carlos Silva Sousa, 54 anos, presidente da Assembleia Municipal de Albufeira e da Concelhia do PSD/Albufeira segue em quarto lugar da lista, logo seguido de Nuno Marques, 38 anos, actual vereador da Câmara Municipal de Lagos.

O mandatário anunciado quarta-feira na reunião da Comissão Política é António Rosa Mendes, professor de História na Universidade do Algarve e o antigo presidente da “Faro, capital da Cultura 2005”.

A lista dos candidatos do PSD/Algarve a deputados à Assembleia da República segue hoje para os órgãos nacionais para deliberação, que terá lugar no Conselho Nacional próximo domingo, disse à Lusa, Luís Gomes, presidente do PSD/Algarve.



Fonte:
http://www.publico.pt/Pol%C3%ADtica/mendes-bota-aprovado-para-cabeca-de-lista-pelo-psd-algarve_1489824


sexta-feira, 15 de abril de 2011

Aqua Portimão estima receber nove milhões de pessoas no primeiro ano de funcionamento

Os responsáveis do centro comercial Aqua Portimão, inaugurado quarta feira naquela cidade algarvia, estimam receber cerca de nove milhões de pessoas durante o primeiro ano de funcionamento do novo espaço, que abre ao público hoje, quinta feira.


O novo espaço, propriedade da conjunta da Klépierre e da Generali Immobiliare, e gerido pela Ségécé Portugal, representou um investimento de cerca de 106 milhões de euros, e criou 1570 postos de trabalho diretos.


Implantado numa área de 35.500 metros quadrados, num dos principais acessos da cidade, o Aqua é a quarta grande superfície a abrir em Portimão, a seguir aos Retail Park e Center e ao Centro Comercial Continente.


Segundo o diretor geral do grupo Klepierre/Ségécé para a Península Ibérica, a aposta em abrir um centro em Portimão “deve-se ao facto da cidade se inserir numa região onde o turismo é uma das maiores fontes” de criação de riqueza.


“Este é sem dúvida um dos grandes projetos do grupo em Portugal, e creio que irá contribuir para aumentar o PIB (produto interno bruto) local”, observou Luís Pires. Segundo o responsável, “o investimento feito pelo grupo em tempo de crise, é essencial para aumentar a produtividade e contribuir para o crescimento do País”.


Por seu turno, o presidente da Câmara de Portimão, considera que o novo centro, a quarta grande superfície comercial no concelho, “não afetará o pequeno comércio tradicional, mas será antes um polo dinamizador” da economia local. “Penso que será uma alavanca para atrair muita gente e dar a conhecer Portimão através desta unidade comercial”, destacou Manuel da Luz. O autarca disse ainda que a construção do novo centro comercial vai obrigar ao reordenamento do trânsito nos acessos à cidade, e reconhece que nos primeiros dias após a abertura “o trânsito será, por vezes, caótico”.

Manuel da Luz acrescentou que está em estudo uma nova ligação entre a Via Infante de Sagres e a Avenida V6 que permitirá uma fluidez do trânsito automóvel no acesso ao centro da cidade.


Além das lojas distribuídas pelos três pisos do empreendimento, o Aqua Portimão acolhe um hipermercado Jumbo, que ocupa uma área de 11.750 metros quadrados, e oferece 1.800 lugares de estacionamento divididos por três pisos subterrâneos. O maior centro comercial do Barlavento do Algarve foi ontem inaugurado oficialmente pelas 21:00, com a presença de várias entidades da região, abrindo ao público a partir de hoje, quinta feira.


quarta-feira, 6 de abril de 2011

Perante o pedido de ajuda externa, apenas dizemos o seguinte:

Vamos passar por grandes dificuldades.
Vamos passar por grandes tormentas.
Vai ser duro, fazer face aos sacrifícios que aí vêem.

Mas, ao reflectir sobre isto, lembrei-me de uma prece que foi encontrada no corpo dum militar aliado, que morreu em combate na segunda-guerra mundial.

Dai-me, Senhor, o que Vos resta.
Dai-me o que nunca ninguém Vos pede.
Eu não Vos peço o repouso,
Nem a tranquilidade,
Nem a da alma, nem a do corpo.
Eu não Vos peço a riqueza,
Nem o êxito, nem mesmo a saúde.

Eu quero a incerteza e a inquietude,
Eu quero a tormenta e a luta...
E concedei-mas, Senhor,
Definitivamente
Que eu tenha a certeza de as ter para sempre,
Porque não terei sempre a coragem De Vo-las pedir.

Dai-me, Senhor, o que Vos resta.
Dai-me o que os outros não querem.
Mas dai-me também a coragem
E a força e a fé...

Oração encontrada no corpo do Aspirante pára-quedista Zirnheld das Forças Francesas Livres morto em combate em 1942 no Norte de África.

Pois que venha a incerteza!
Pois que venha a inquietude!
Que venha a tormenta e a luta!

Perante tudo isto, apenas digo:

Aqui estamos!

E nós vamos prevalecer!

terça-feira, 5 de abril de 2011

Câmara de Portimão e associações de comerciantes assinam carta de compromisso para apoiar sector

A Câmara de Portimão, a Associação do Comércio e Serviços da Região do Algarve (ACRAL) e a Associação Comercial de Portimão (ACP) assinaram segunda feira uma carta de compromisso que visa a resolução de um conjunto de situações consideradas de intervenção urgente devido à crise no sector.


Entre as medidas em causa, estão o faseamento na aplicação das novas taxas, o ordenamento de trânsito e diversas intervenções na principal área do comércio tradicional da cidade, uma nova sinalética e a criação de uma rota turística a partir do porto de cruzeiros de Portimão e até ao centro da cidade.


O presidente da Câmara Municipal de Portimão, Manuel da Luz, considera que se trata de “um valioso documento que deve ser estudado e aplicado no terreno de forma muito concreta, para promover e dinamizar o comércio local, que atravessa uma conjuntura dificílima”.


No que toca às matérias de publicidade e propaganda e aos regulamentos de taxas e tarifas municipais, cuja aplicação será faseada de acordo com um cronograma a definir entre as associações e a autarquia, o autarca considera que o mesmo “vai implicar um esforço muito grande da câmara, mas que terá um alcance indiscutível em prol do comércio tradicional”.


Segundo Manuel da Luz, “a grande preocupação a partir de agora é operacionalizar as medidas acertadas e irmos em frente, para ganharmos o centro urbano de Portimão”, realçando a propósito o “sentido de responsabilidade muito grande manifestado nesse sentido pelas associações de comerciantes”.


O reforço da limpeza nas zonas mais comerciais, intervenções de manutenção e embelezamento do espaço público, e a substituição de mobiliário urbano são outras medidas a lançar, assim como a isenção de taxas em ações específicas de dinamização e promoção daquela zona comercial, quando organizadas pela UAC ou associações de comerciantes, assim como a desburocratização dos processos relativos às mesmas.


Para o presidente da ACRAL, João Rosado, o acordo agora estabelecido “consagra o princípio do utilizador recebedor, uma vez que as receitas pagas pelos comerciantes na área de intervenção do UrbCom serão agora reinvestidas na promoção do comércio tradicional, o que poderá servir de exemplo para outras cidades”.


Também destacou o facto de Portimão ter “uma grande mais-valia que é o porto de cruzeiros, desde que bem rentabilizado em termos de marketing territorial”.


Quanto a Paulo Pacheco, presidente da ACP, congratulou-se com a iniciativa, reforçando a ideia que “é muito bem-vinda, especialmente porque a componente empresarial ligada ao comércio se encontra bastante debilitada”.

segunda-feira, 4 de abril de 2011

Ainda a propósito das taxas. Publicamos este texto que recebemos de um comerciante que nos pediu anonimato.

Recebemos este texto por e-mail, de um comerciante desta cidade.

Nós sabemos a sua identidade, porém ele pediu-nos que ao publicarmos este seu texto o fizéssemos, preservando a seu anonimato.

Disse-nos que apesar de ser crítico em relação a este regime de taxas, e de ter vontade em dizer o que lhe vai na alma, tem receio de represálias.

Assim, aqui o fazemos, tal qual como nos foi pedido.


Agora convosco, um comerciante de Portimão:



"Meus Senhores,

Analisando a informação sobre o vosso regulamento de taxas e partindo do pressuposto que o que pretendem é uma caça ao dinheiro para fazer face às despesas que têm vindo a efectuar durante todos estes anos verifico que se esquecem de taxar coisas importantíssimas que certamente trariam muitos milhares de euros de receita aos cofres do Município:

Estendais de roupa coisa esteticamente bela e que se encontram por toda a nossa cidade tanto em prédios novos como antigos, poderiam ainda taxar a roupa e criar uma taxa para as peúgas, as cuecas as calças etc. Imaginem o dinheirão que iriam receber. Poderiam também criar uma taxa para a sombra que os prédios produzem retirando a possibilidade de outros poderem usufruir da luz do SOL que é um fonte de energia não poluente mas que só alguns podem aproveitar. Como é que os Srs. desejam que os munícipes olhem para estas medidas se elas são tão caricatas e absurdas.

Em primeiro lugar e começando pelos aparelhos de ar condicionado a Câmara Municipal deveria ser a primeira entidade a dar o exemplo e mostrar a todos como se instalam aparelhos de AC sem serem visíveis da rua. (Rua Pé da Cruz) fachada lateral da CMP. Será que este também irá pagar taxa?

Os Srs. sabem ou se não sabem os serviços técnicos sabem que a instalação de muitos aparelhos de ar condicionado que encontramos por toda a cidade têm a ver com o técnico que os instalou por este ter agido da seguinte forma: Escolheu o sitio que menos trabalho lhe dava, nunca se preocupando com a estética ou qualquer outra preocupação, e o pendurou onde não devia.

Os serviços de fiscalização da Autarquia viam e não diziam nada e passados todos estes anos vêm aplicar uma taxa como forma de regularizar o que se encontra em situação irregular. O que interessa é pagar taxa o resto já ninguém quer saber.

A autarquia deveria ter uma posição de conselheira sobre o assunto aproveitando os recursos técnicos que possui, daria uma imagem pela positiva apresentando soluções para o problema e ao mesmo tempo melhorando o impacto visual que tais aparelhos criam. Não é criando caixas de alumínio para ocultar os aparelhos que estes ficam mais estéticos. Verifiquem o que encontram na Rua do Comercio e Vasco da Gama Rua Direita e digam de vossa justiça se por acaso melhorou o que está lá instalado. Só piorou o desempenho da máquina que tem de trabalhar no seu interior tornando-a menos ecológica e aumentando o consumo de energia. Quem ganhou? Ninguém todos ficamos a perder.

As antenas e Antenas Parabólicas – Outra realidade que temos na nossa terra mas de mais fácil e económica resolução que os AC. Basta colocar mais uns metros de cabo e todas passarão a estar fora do anglo de visão de quem circula na rua. Mas com a vossa medida ainda incentivam ao aparecimento de mais antenas é mais barato pagar a taxa do que comprar uns metros de cabo. È isto que os Srs querem? As antenas que irão pagar uma taxa mais elevada aqui na cidade serão certamente as antenas da CMP e da PSP. Já agora poderiam englobar nesta alínea as torres de iluminação do Estádio Municipal.

As flores envasadas – Outra ideia genial e que de certeza todas corroboram. Porque será que elas existem? Não me digam que não têm resposta para esta pergunta. Será que elas existem porque alguém pensa tornar a via pública numa exploração de floricultura e sai mais barato o mt2 de terreno no centro da cidade do que comprar ou alugar um terreno na periferia? Se calhar a resposta é mesmo esta….. Pois bem elas só existem penso eu como forma de embelezar um espaço, um canto, ocultar algo que se encontra em piores condições criar um ambiente mais bonito ou acolhedor, delimitação de um espaço previamente concessionado como por exemplo uma esplanada etc. Será que as flores envasadas e colocadas nas sacadas dos edifícios também irão estar sujeitas à referida taxa? Queremos beleza desejamos harmonia e temos de pagar taxa. Esta nem no tempo dos Romanos existia.

Arcas dos gelados – Com esta concordo plenamente mas certamente não irão arrecadar tanto dinheiro com a medida uma vez que vemos cada vez menos arcas a ocupar a via pública. Estas eram constantemente vandalizadas e sai mais barato não as ter do que andar sempre a reparar o irreparável. Se as Arcas tivessem o mesmo serviço de segurança que têm os parcómetros de certeza que haviam muitas mais.

Grelhadores – Será que com esta medida iremos ter novamente a cidade impestada com o fumo dos grelhadores? E bastará tirar uma licença e pagar uma taxa para dizer “ O meu está licenciado, não podem fazer nada contra” ou já se esqueceram o que era o antigo lugar das sardinhas assadas e que os Srs. mataram completamente, uma das grandes atracões que tinha a nossa cidade?. Eles trabalhavam todo o ano e agora onde estão? Quantos dias trabalham de Inverno, há dias que nenhum abre portas. Acabaram com a tipicidade, acabaram com o negócio mataram parte da cidade. E agora querem taxas?

Porque será que na nossa cidade as coisas são sempre tão bem tratadas. Será que não existe visão, será que não conseguimos vislumbrar o futuro? Será que sentados numa secretária projectamos sem ter a mínima noção de como tudo funciona, como circulam as pessoas pela cidade o que fazem o que procuram, o que necessitam? Será que não temos de observar primeiro fazer um levantamento exaustivo da realidade actual e depois encontrar as melhores soluções. As rotinas quebram-se e dificilmente se encontram novamente, as pessoas se dispersam e procuram outros lugares porque foram privadas durante algum tempo (por vezes demasiado) daquilo que tinham e precisavam. Isto tem acontecido com a nossa cidade ao longo destes últimos anos e por isso nem sempre as obras que se fazem têm tido o impacto que desejamos.

A bem de Portimão escrevo estas linhas para alguém ler e meditar."


Um anónimo comerciante desta cidade de Portimão.

domingo, 3 de abril de 2011

Reunião da Assembleia Municipal - aprovação do novo regulamento de taxas

Novo regulamento de taxas




Amanhã, dia 4 de Abril às 21:30, em reunião extraordinária da Assembleia Municipal vai ser aprovado este novo regulamento de taxas e tarifas da câmara municipal de Portimão.


Pará lá do draconiano plano de saneamento financeiro, para lá do gigantesco passivo de 254 milhões de € e para lá do imenso desequilíbrio financeiro que a CMP tem, aqui vem mais uma forma de nos fazer a todos pagar pelo que fizeram.


Isto, junta-se ao IMI pago à taxa máxima e ao facto de pagarmos a agua a um dos preços mais caros da região.


Vai ser assim que a CMP vai equilibrar as suas contas. Com mais impostos sobre nós.


Vão reduzir despesa estrutural? Vão reduzir regalias às administrações das empresas municipais? Vão tentar aumentar a eficiência?


Não. Vão nos sacrificar. Numa altura em que estamos com 20% de desemprego e com o comércio na falência.


Amanhã, vamos lá estar.


Apareçam também.